segunda-feira, 20 de junho de 2016

♪ Foi amor ♪


♪ Pense nisso como um fim
De uma coisa que um dia foi amor
Foi amor! ♪

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Allehop Tour

E o Araújo Vianna será pequeno pra nós! Tudo o que abrilhanta a vida e deixa nossos olhos mais risonhos há que se repetir infinitamente dentro da gente. Emoções sem freio uma vez mais tomarão de assalto nossos corações, restaurando a alma com muita música, encantamento e doçura. 
E serão duas semanas de magiaaaa... (Caxias e Poa ♥)  
E mais uns quinze dias até dissipar todo efeito da overdose de amor \o/ \o/

Só quem vai pode de fato captar este efeito apaixonante e permitir-se contagiar neste mundo de Anitelli e sua trupe carregada de arte e muita poesia.

Que chegue logo o mês de agosto! Vai ser lindoooo! ♥ ♥ ♥


♪ Emanemo-nos AMOR ♪

#AllehopTour
#APoesiaPrevalece
#TudoNumaCoisaSó
#AGenteSeMerece
#GaúchosRaros

quarta-feira, 15 de junho de 2016

O tempo e as jabuticabas


Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para frente do que já vivi até agora. Sinto-me como aquela menina que ganhou uma bacia de jabuticabas. 
As primeiras, ela chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço.

Já não tenho tempo para lidar com mediocridades. Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflados. Não tolero gabolices. Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte.

Já não tenho tempo para projetos megalomaníacos. Não participarei de conferências que estabelecem prazos fixos para reverter a miséria do mundo. Não quero que me convidem para eventos de um fim de semana com a proposta de abalar o milênio.

Já não tenho tempo para reuniões intermináveis para discutir estatutos, normas, procedimentos e regimentos internos. Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturas.

Não quero ver os ponteiros do relógio avançando em reuniões de “confrontação”, onde “tiramos fatos a limpo”. Detesto fazer acareação de desafetos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário geral do coral.

Lembrei-me agora de Mário de Andrade que afirmou: “as pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos”. Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa…

Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade, defende a dignidade dos marginalizados, e deseja tão somente andar ao lado do que é justo.

Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade, desfrutar desse amor absolutamente sem fraudes, nunca será perda de tempo.

O essencial faz a vida valer à pena.

Rubem Alves

domingo, 12 de junho de 2016

Esquecer é não sentir mais nada. Nem mesmo saudade...


A gente apaga o número do celular, apaga todas as fotos, apaga mensagens antigas, bloqueia no Facebook, Instagram e Whatsapp. A gente joga todos os presentes que ganhamos durante o tempo juntos fora e se liberta daquele perfume que só remete a tal pessoa.

Evitamos tocar no nome. Começamos a sair para as baladas da vida e levantamos o copo de bebida para fazer um brinde a nova fase e ao esquecimento da pessoa que ate há alguns dias era o amor da nossa vida. Juramos de pé junto que mal nos lembramos do timbre da voz dela.

Mas basta chegar em casa, tomar um belo banho e descansar a cabeça no travesseiro para vir à tona o que parecia estar morto e enterrado. Basta o silêncio de uma noite fria para as lembranças e a saudade aquecerem o coração e deixa-lo ardendo em dor. E é aí que nos damos conta que esquecer vai muito além do que o que imaginamos.

Quem esquece não precisa evitar encontros casuais, não se sente mal em falar a respeito e não precisa “entupir-se” de bebida para dizer que esqueceu. Não. Quem esquece cria indiferença. Quem esquece vive e somente. Quem esquece sabe que existem e sempre irão existir lembranças da pessoa que um dia foi de uma importância imensurável em nossa vida, mas tais lembranças não precisam ser apagadas, porque é algo que fez parte de algum momento bom, mas que, por obra do destino (ou não), ficou para trás.

Quem esquece não precisa provar nada para ninguém, apenas deita a cabeça no travesseiro e dorme com tranquilidade. E quem não esqueceu, meu amigo, precisa viver a dor e deixar doer. Deixar a ferida sangrar mesmo. E saber que não é preciso pressa, uma hora as coisas se estabilizam e será perceptível que esquecer é lembrar e não sentir mais nada. Nem mesmo saudade.

Ana Luiza Santana

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Esperançar




É preciso ter esperança, mas ter esperança do verbo esperançar; 
porque tem gente que tem esperança do verbo esperar. 
E esperança do verbo esperar não é esperança, é espera. 
Esperançar é se levantar,
esperançar é ir atrás, 
esperançar é construir, 
esperançar é não desistir! 
Esperançar é levar adiante.
Esperançar é juntar-se com outros para fazer de outro modo...

Paulo Freire

terça-feira, 7 de junho de 2016

Para ti


Foi para ti
que desfolhei a chuva
para ti soltei o perfume da terra
toquei no nada
e para ti foi tudo

Para ti
criei todas as palavras
e todas me faltaram
no minuto em que falhei
o sabor do sempre

Para ti
dei voz, às minhas mãos
abri os gomos do tempo
assaltei o mundo
e pensei que tudo
estava em nós

Nesse doce engano
de tudo sermos donos
sem nada termos,
simplesmente porque
era noite
e não dormíamos.

Eu descia em teu peito
para me procurar
e antes que a escuridão
nos cingisse a cintura
ficávamos nos olhos,
vivendo de um só olhar
amando de uma só vida.

Mia Couto - (poeta moçambicano)

terça-feira, 3 de maio de 2016

Loucos e santos



Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquétipo qualquer, mas pela pupila.
Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante.
A mim não interessam os bons de espírito nem os maus de hábitos.
Fico com aqueles que fazem de mim louco e santo.

Deles não quero resposta, quero meu avesso.
Que me tragam dúvidas e angústias e aguentem o que há de pior em mim.
Para isso, só sendo louco.

Quero os santos, para que não duvidem das diferenças e peçam perdão pelas injustiças.
Escolho meus amigos pela alma lavada e pela cara exposta.
Não quero só o ombro e o colo, quero também sua maior alegria.
Amigo que não ri junto, não sabe sofrer junto.

Meus amigos são todos assim: metade bobeira, metade seriedade.
Não quero risos previsíveis, nem choros piedosos.
Quero amigos sérios, daqueles que fazem da realidade sua fonte de aprendizagem, mas lutam para que a fantasia não desapareça.

Não quero amigos adultos nem chatos.
Quero-os metade infância e outra metade velhice!
Crianças, para que não esqueçam o valor do vento no rosto; e velhos, para que nunca tenham pressa.
Tenho amigos para saber quem eu sou

Pois os vendo loucos e santos, bobos e sérios, crianças e velhos, nunca me esquecerei de que “normalidade” é uma ilusão imbecil e estéril.

Oscar Wilde